José Lino Souza Barros

Coluna do José Lino Souza Barros

Veja todas as colunas

O maior erro da história do Supremo Tribunal Federal

Do jornalista Tulio Milman

17/10/2019 às 12:38
Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Fala aqui um jornalista, defensor da absoluta liberdade de expressão. O Supremo Tribunal Federal jamais, jamais mesmo, deveria ter concordado com a transmissão das suas sessões ao vivo pela televisão. A hiperexposição dos já inflados egos dos ministros gerou uma distorção não apenas para a Justiça, mas para a democracia brasileira.

Em um país radicalizado e que perdeu a capacidade de reconhecer a altimetria dos relevos, tudo se confunde com transparência. Exibir ao vivo as sessões do Supremo aumentou o agressividade dos debates, que deveriam ser frios e técnicos. A Justiça não deve desprezar os clamores da opinião pública, mas não pode cruzar a perigosa linha que separa o respeito à plateia e a submissão a ela - seja para acariciá-la ou para contrariá-la. Os objetos de um tribunal deveriam ser outros: a lei, a Justiça e a segurança jurídica de um país.

No modelo alemão, os debates são reservados, mas as decisões - e somente elas - amplamente divulgadas, com todos os detalhes que levam à compreensão dos princípios debatidos. A decisão final é coletiva, da Suprema Corte. Os nomes dos magistrados e seus caprichos ficam em décimo quinto plano. Aqui, faz-se uma endoscopia diária nos intestinos do tribunal mais importante do país. Isso não é transparência. Isso é circo e transforma ministros em celebridades, não pela consistência das suas decisões e por seus estilos sóbrios de vida, o que seria o correto.

A Suprema Corte é uma instituição tão importante, que não precisaria se exibir desse jeito. Cabe a ela a última palavra em todos os temas mais relevantes de uma nação. No Brasil, ela vem se apequenando a tal ponto que, perigosamente, já há quem defenda abertamente a sua extinção. E mais perigoso ainda: tem cada vez mais gente que concorda.
 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link