Notícias

Baile funk transforma noites de moradores dos bairros Serra e São Lucas em pesadelo

Por Redação , 12/11/2019 às 07:50
atualizado em: 12/11/2019 às 12:53

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Google street view
Google street view

Tráfico e consumo de drogas, criminosos exibindo armas livremente, trocas de tiros frequentes e consumo de bebidas alcoólicas por menores. Muitas pessoas podem imaginar que trata-se de algum baile funk do Rio de Janeiro, mas esse mundo paralelo ocorre na região Centro-Sul de Belo Horizonte, a menos de 2km de distância da avenida do Contorno, uma das mais movimentadas da capital: é o baile funk da Praça Arauto, que acontece no fim da rua Salutares, no limites dos bairros São Lucas e Serra. O lugar é conhecido como Pau Comeu.

Foi no baile da Arauto que em março deste ano criminosos foram flagrados exibindo fuzil e outras armas (veja vídeo abaixo). Dias depois, o suspeito foi preso e a PM informou que o fuzil era uma réplica. Nove meses depois, moradores da região pedem socorro à Polícia Militar. Além de toda violência, denunciam que som ensurdecedor do ‘proibidão’ começa na noite de sábado e termina apenas depois das 6h de domingo. Nesse período, a circulação de motocicilistas e carros é intensa nas ruas do bairro, em vai e vem típico das favelas cariocas. 

Em áudio enviado à Itatiaia, um morador da Serra gravou, a 3 km de distância, o barulho da festa, que não tem alvará para ser realizada. “Isso é a madrugada inteira e ninguém dorme. Se fosse só isso a gente relevava. O problema é o tráfico de drogas, pessoas armadas, troca de tiros. Semana passada um tiroteio deixou todo mundo chocado e apavorado”, relata. (Ouça aqui).

“Só tem uma solução para isso: a Polícia Militar de Minas Gerais, que é a melhor do Brasil, tem que dar um jeito. O Gepar e a Rotam têm que acabar com essa farra. Belo Horizonte não é o Rio de Janeiro. Tenho certeza que a Polícia Militar vai fazer alguma coisa. Os moradores de bem da Serra e do São Lucas estão pedindo socorro para a Polícia Militar”, diz o denunciante. 

Além do baile da Arauto, mais três festas embaladas pelo ‘proibidão’ ocorrem frequentemente em outros pontos da Serra: na rua da Água, na Praça do Cardoso e  em um lugar conhecido como Naja. Segundo fontes da polícia, todos são financiados pelos chefes do tráfico na região. 

Nota 

Procurado pela reportagem da Itatiaia, o 22º Batalhão da PM garante que “mantém policiamento ostensivo diuturnamente na rua Salutares em todo Aglomerado da Serra e Novo São Lucas, através das equipes GEPAR (Grupo Especial de Policiamento em Área de Risco), suplementados por equipes da Companhia Tático Móvel, em recobrimento, e apoiados por equipes do Comando de Policiamento Especializado (ROTAM, BPChoque, BOPE, ROCCA) e outros".

“Quanto a eventos denominados “bailes funk” que estariam sendo realizados de maneira irregular no local, a Polícia Militar esclarece que monitora esses eventos, sempre atuando quando se faz necessário, a exemplo do que vem ocorrendo em diversas oportunidades ao longo deste ano de 2019".

“A Polícia Militar esclarece ainda que vem tratando o assunto com outros órgãos também responsáveis pelo tema (COMOVEC, PBH, Ministério Público e Poder Legislativo), bem como com a comunidade e lideranças representativas das vilas, no intuito de garantir a tranquilidade dos moradores e da comunidade em geral”.

A Polícia Militar pede ainda que os moradores colaborem com informações sobre crimes e delitos em geral que possam estar relacionados a eventos irregulares, por meio de denúncia anônima pelo 181.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link