Notícias

Conquista da Copa América comprova menor dependência por Neymar na Seleção Brasileira

Por Agência Estado, 07/07/2019 às 19:30
atualizado em: 07/07/2019 às 19:48

Texto:


O Brasil chegou ao título da Copa América, neste domingo, ao bater o Peru, com um importante legado para o trabalho da equipe. A campanha invicta, as boas partidas e as atuações convincentes deixam o importante recado de que é possível, sim, jogar um bom futebol sem contar com o principal jogador, o atacante Neymar, e ainda criar um forte espírito coletivo no time.

 

A grave lesão no tornozelo direito do jogador a pouco mais de uma semana para o início do torneio representou um duro golpe. O Brasil viu se repetir o drama da Copa de 2014, quando também ficou sem o camisa 10, na época com um problema grave nas costas. Desta vez, as diferenças principais eram a chance de ter um tempo para se preparar para a perda e ajeitar o time até a estreia, fora uma estrutura coletiva mais sólida.

"Eu lembro que o Pelé se machucou na Copa de 1962, o Amarildo entrou e arrebentou. Não é desmerecimento. O Neymar é diferenciado, faz as coisas com uma criatividade e velocidade impressionantes, mas o conjunto está forte e isso é o mais importante", disse Tite.

O técnico Tite foi em busca de opções e não teve medo de repensar as escolhas. Primeiramente, apostou em David Neres na ponta esquerda, para depois mudar de ideia e optar por Everton, a principal descoberta desta Copa América. Como substituto para o corte, resolveu trazer o experiente Willian, atacante com mais de uma década de Seleção Brasileira e figura importante em momentos decisivos, como no pênalti convertido contra o Paraguai.

O impacto da ausência da Neymar não mexeu tanto com os adversários. Alguns até mesmo disseram ter ficado até mais difícil enfrentar o Brasil agora, como foi o caso do técnico boliviano Eduardo Villegas. "Defensivamente ele (Neymar) é um jogador que não volta a marcar com frequência. Para mim eu até fico mais preocupado, porque o Brasil se torna um adversário mais compacto e organizado no setor defensivo", disse.

Com uma defesa forte e uma base entrosada após os últimos três anos, o Brasil tinha bons alicerces para disputar a competição sem Neymar. Faltava ajeitar o ataque. O setor passou por algumas mudanças ao longo do torneio e os testes serviram principalmente para alguns jogadores aceitarem assumir um protagonismo a mais na seleção já que sem Neymar, esse papel teria de ser dividido.

Philippe Coutinho ajudou a comandar o time em alguns momentos, como nos dois gols marcados sobre a Bolívia, na abertura. "Ele está chamando a responsabilidade. Sem o Neymar, nossa grande estrela, o Couto é a nossa referência", disse o zagueiro Thiago Silva. Logo depois, outros jogadores também cresceram em importância. Gabriel Jesus, Firmino e Everton, por exemplo, viraram peças fundamentais na campanha e formaram o novo trio ofensivo.

O Brasil se redescobriu sem Neymar. Virou um time mais coletivo com o otimismo de saber que com a futura volta do camisa 10, terá ainda mais a ganhar. A Copa América revelou que a equipe não precisa mais temer quando ficar novamente sem o jogador em alguma outra ocasião.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link