Auto Truck CPM Interno

Notícias

Justiça mineira anula condenação do ex-senador Clésio Andrade no mensalão tucano

Por Redação/Agência Estado, 22/10/2019 às 17:22
atualizado em: 22/10/2019 às 19:00

Texto:

Foto: José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil

O julgamento do mensalão tucano em que o ex-senador mineiro Clésio Andrade (MDB-MG) foi condenado a cinco anos de prisão foi anulado nesta terça-feira pela 5ª Câmara do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). A decisão também foi favorável ao ex-secretário adjunto de Comunicação Social de Minas, Eduardo Guedes, sentenciado a 17 anos de detenção.

O recurso foi amparado em decisão o Supremo Tribunal Federal (STF) de março deste ano, que considerou que a Justiça Eleitoral é responsável por processar e julgar crimes cometidos durante eleições. Clésio e Eduardo foram condenados 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte. O caso será julgado novamente, agora pelo Tribunal Regional Eleitoral.

O mensalão

A juíza Lucimeire Rocha, da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, condenou Clésio a 5 anos e 7 meses de prisão e fixou o cumprimento da pena em regime inicial semiaberto pelo crime de lavagem de dinheiro. Ela ainda absolveu o ex-senador do crime de peculato.

Conforme denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o mensalão tucano foi o desvio de recursos de estatais como a Copasa e o extinto Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) para a campanha do então governador Eduardo Azeredo (PSDB) à reeleição, em 1998. Na época, Clésio era candidato a vice-governador da chapa de Azeredo.

Os desvios em benefício do tucano chegam a R$ 3 milhões, de acordo com a acusação. O esquema, que, segundo o MPF, teve a participação de Clésio, usava as agências de publicidade de Marcos Valério.

A juíza rejeitou a tese de que os valores atribuídos a Clésio constituíam somente caixa 2 de campanha. "Primeiro, que não se tratou de 'simples depósito'. Conforme consta dos laudos periciais, o recurso percorreu diversos caminhos, com depósitos e saques em várias contas, e depois novos depósitos, até ser utilizado na campanha, em operações extremamente complexas", afirmou Lucimeire.

Em segunda instância, Azeredo foi condenado na primeira instância a 20 anos e 1 mês de prisão, acusado de peculato e lavagem de dinheiro.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link