Notícias

'Longa vida à Lava Jato', deseja ministro Sergio Moro após nova fase da operação 

Por Agência Estado, 10/09/2019 às 13:22
atualizado em: 10/09/2019 às 13:23

Texto:

Foto: Marcos Corrêa/ Planalto Flickr
Marcos Corrêa/ Planalto Flickr

O ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) desejou "vida longa" à Operação Lava Jato. Nesta terça-feira ele retuitou informações que a Polícia Federal divulgou sobre a fase 65 da ação. A Operação Galeria, rótulo da etapa 65, prendeu Márcio Lobão, filho do ex-senador e ex-ministro Edison Lobão (Governos Lula e Dilma), este também investigado, por suspeita de propinas de R$ 50 milhões nas obras da Hidrelétrica Belo Monte, no Pará.

"Polícia Federal segue firme contra a corrupção e a lavagem de dinheiro. Longa vida à Operação Lava Jato", tuitou Moro. O anseio do ministro por uma investigação mais longeva se dá em meio à saraivada dos opositores que lhe atribuem excessos enquanto atuou como juiz da Lava Jato.

Os investigadores suspeitam que ele lavou pelo menos R$ 10 milhões de propinas por meio da compra de obras de arte e de imóveis.

A fase 65 da Lava Jato, que Moro tuitou, investiga corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo negócios da Transpetro, subsidiária da Petrobras, e a Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Segundo a PF, Edison Lobão (MDB/MA), ex-senador e ex-ministro de Minas e Energia (governos Lula e Dilma), e seu filho Márcio teriam recebido propinas entre 2008 e 2014.

Márcio Lobão foi alvo de um mandado de prisão preventiva cumprido nesta manhã no Rio. Segundo a PF, ele seria o responsável pelo ajuste de pagamentos e a coleta das propinas.

A Operação Galeria investiga crimes relativos ao contrato de construção de Belo Monte - já objeto de denúncia apresentada pela força-tarefa da Lava Jato - e irregularidades em mais de 40 acordos entre a Transpetro e um grupo de empresas do ramo de serviços ambientais - Estre Ambiental, Pollydutos Montagem e Construção, Consórcio NM Dutos e Estaleiro Rio Tietê.

Somados, os valores dos contratos com a subsidiária da Petrobras chegam à R$ 1 bilhão, indica o Ministério Público Federal no Paraná.

Segundo a Procuradoria do Paraná, as provas indicam que as propinas foram entregues em espécie em escritório de advocacia ligado à família Lobão, localizado no Rio.

A suspeita da PF é a de que os valores indevidos recebidos por Márcio Lobão teriam sido incorporados a seu patrimônio por meio de diferentes operações de lavagem de dinheiro - "transações sobrevalorizadas de obra de artes, inclusive em nome de laranjas  simulações de compra e venda de imóveis, simulação de empréstimos, depósitos fracionados em espécie e utilização de contas e transações financeiras no exterior".

Defesas

Até o publicação desta matéria, a reportagem não havia obtido o posicionamento dos citados. O espaço está aberto para as manifestações de defesa.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link