Auto Truck CPM Interno

Notícias

Reportagem especial da Itatiaia mostra como é o curso do batalhão Rotam

Por Renato Rios Neto, 28/09/2019 às 08:55
atualizado em: 28/09/2019 às 10:58

Texto:

Foto: Renato Rios Neto/Itatiaia
Renato Rios Neto/Itatiaia
00:00 00:00

"Aqui não se cultuam os fracos”. A frase estampada na sede da Rotam, em Belo Horizonte, indica que o nível de exigência para integrar o batalhão, reconhecido pelo combate à criminalidade violenta na Grande BH, é elevado. O repórter Renato Rios Neto, da Itatiaia, se tornou o recruta 21 por um dia para acompanhar a rotina do curso de ‘Procedimentos Rotam’, considerado referência nacional na formação militar e um dos mais exigentes do país. Tanto que recebe militares selecionados de todas as patentes e batalhões de Minas e até mesmo de outros estados.

O policial que concluir o curso, que dura 70 dias (sete dias por semana) estará preparado para combater diferentes crimes, além de ter a insígnia do batalhão na farda e o nome registrado na galeria imortal dos Rotanianos, que fica na sede do batalhão. Mas ser aprovado no curso não é missão fácil. 

“Os militares, tanto da polícia de Minas Gerais quanto de outros estados, participam de uma seletiva e os melhores colocados entram para fazer o curso de Procedimentos Rotam. Teve uma procura muito grande este ano, porque o batalhão Rotam tem efetuado grandes prisões nos últimos anos”, destaca o tenente Arley Rodrigues, coordenador do curso.

“O curso visa formar o policial militar para trabalhar com os equipamentos e a forma de emprego do batalhão Rotam, que é o combate à criminalidade violenta e organizada, que são os crimes mais nocivos para a sociedade. Então, o policial aqui tem que estar preparado para enfrentar esse tipo de criminoso”, ressalta o tenente.

Renato Rios Neto/Itatiaia

Durante os mais de dois meses de curso a dedicação do policial tem de ser exclusiva, 24 horas por dia, sábados, domingos e feriados. Dos 63 policiais que iniciaram o curso neste ano, 15 já desistiram.  

“É o segundo curso que estou fazendo. Na primeira vez não tive a oportunidade concluir, mas a vontade de ter o raio é inestimável e vou buscar de qualquer maneira”, diz o cabo Moisés Doro, que teve um problema de saúde quando faltava uma semana para concluir o último curso, que exige muito da parte física, técnica e psicológica dos militares. 

O sargento Aleandro Pereira Miranda explica que os policiais precisam lidar com diferentes pressões, como ficar sem comer e sem dormir. “Aqui, enquanto estamos fazendo uma prova, tem bomba estourando, tem gás na sala de aula. (Isso) é para chegar na rua e não se abater”. 

O capitão Antônio Hot destaca que a exigência com a parte técnica, que envolve abordagens, também é elevadíssima. “O militar tem agregar a técnica ao ambiente que se aproxima ao máximo da atividade operacional. Então, ele tem que ter esse conhecimento e saber operar durante as operações”. 

O nível de exigência e a bagagem técnica, física e psicológica para enfrentar o crime organizado fizeram Estéfano Luís Rocha, da PM do Ceará, se inscrever no curso. “A doutrina é conhecida em todo país. É uma das melhores do Brasil, se não for a melhor”, elogia. “Estou levando o conhecimento daqui para agregar valor lá”. 

Há 19 anos na PM de Minas, o capitão Rodrigo Lima Ferreira diz que concluir o curso da Rotam é um sonho. “Sou de origem humilde. Já passei por muitas dificuldades e problemas, mas você tem que fazer a escolha certa. Não dê oportunidade para o crime na sua vida. Você tem que ter um sonho, ter um objetivo, acreditar nesse e buscar esse sonho. Para mim é um orgulho estar na Polícia Militar e servir ao batalhão Rotam e fazer esse curso”. 

Renato Rios Neto, o recruta 21, foi aprovado de maneira simbólica no curso. Ouça a matéria completa e confira o relato pessoal dele, um dos principais jornalistas policiais do país. 

Confira também:

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link